Esteroides: Riscos e efeitos secundários

Os esteroides são produzidos sinteticamente com finalidades médicas e terapêuticas e são semelhantes à hormonas sexual masculina – a testosterona. Promovem o aumento da massa muscular (efeito anabolizante) e permitem uma melhor performance.Este aumento de massa muscular não é real dado que, na verdade o que acontece é o músculo inchar. Quando se deixa de tomar os esteroides, os músculos perdem o volume.

esteroides

Os esteroides anabolizantes são conhecidos por muitos. A pretensão de ganhar massa muscular rapidamente fala mais alto mas os riscos mantém-se à espreita. Os esteroides são perigosos para a saúde quando não são tomados nas doses recomendados. As doses tomadas por muitos são, com frequência, 100 vezes superiores às recomendadas pelos médicos.

Os riscos dependem da dose tomada, da duração da toma, da forma como são tomados (oral ou injetável) e das características da pessoa (idade, sexo, condição clínica…) mas todos os que tomam doses superiores às recomendadas podem sofrer consequências graves. O aumento da pressão arterial e da frequência cardíaca são riscos que saem caros já que podem levar à morte em casos mais graves. A diminuição da produção da testosterona pelo próprio organismo levando a uma menor produção de espermatozoides é outro efeito secundário tal como um aumento de glóbulos vermelhos, problemas no fígado como hepatites, hipertensão, calvície, acne, agressividade e distúrbios psíquicos.

Alguns tipos de esteroides levam ao aparecimento de mamas nos homens. As mulheres que tomam esteroides podem ver a sua voz ficar mais grave, a mandíbula mais larga, podem sofrer calvície, ter pelos (na face, por exemplo), sofrer interrupção da menstruação…

A paragem repentina da toma de esteroides também é perigosa. Fadiga, insónias, dores musculares e de cabeça, diminuição do desejo sexual, perda de apetite e depressão são alguns dos efeitos sentidos por quem deixa de tomar esteroides sem controlo médico. A depressão é perigosa porque em casos extremos pode levar ao suicídio.

Leave a Reply